Pular para o conteúdo principal

Intimidade e DST: pelo direito de não transar


*Esse é um texto direcionado principalmente às mulheres bi ou heterossexuais

Acho que está na hora de conversarmos seriamente sobre DST e intimidade. 

Tenho pensado como a luta (importantíssima) pela liberdade sexual feminina e suas conquistas trouxe consequências com as quais temos que lidar, porque tudo nessa vida tem prós e contras. Um desses contras é quanto estamos expostas a doenças sexualmente transmissíveis (das mais leves às mais sérias). O outro desses contras é o quanto muitas vezes nos sentimos obrigadas, às vezes inconscientemente, a fazer um uso intenso e indiscriminado dessa liberdade e acabamos transando com gente nada a ver (e, de novo, nos expondo a riscos).

Poder transar no primeiro encontro sem ninguém julgando ou enchendo o saco é uma conquista feminista importante, afinal de contas, nosso corpo, nossa vida, nossas regras. Mas essa liberdade não é só feminista, muitas vezes ela vira nossa inimiga. Exemplifico: uma vez, há muitos anos atrás, fiquei com um cara e não estava a fim de transar naquela noite, então quando ele me deixou em casa, eu falei que eu não iria convidar ele pra entrar naquele dia. Ele, em uma tentativa tosca de me pressionar, disse: "ai, essa tradicional família mineira... achei que você era mais livre". Não preciso nem explicar o nível absurdo de machismo e manipulação desta frase, né? Mas o fato é que, muitas vezes, temos essa idéia introjetada inconsciente de que se a gente não transar a gente é careta, a gente é pudica, a gente é travada. E isso NÃO é um bom motivo para se engajar em um contato extramente íntimo com alguém. Fico pensando o quanto eu teria me exposto menos a doenças e situações desagradáveis, se eu tivesse deixado de transar com todos os zé manés aleatórios que eu já transei mesmo sem querer tanto, achando que por algum motivo eu não podia ou não devia dizer não (e sim, pra nós mulheres que fomos socializadas a agradar, dizer não é um aprendizado extramente difícil - e necessário).

E aí chegamos em um outro tema muito importante: camisinha. Não tem papinho, camisinha TEM QUE USAR, e é do início ao fim. Tem uma grande quantidade de DSTs que são transmitidas apenas no contato pênis-vagina, então não dá pra deixar "só a cabecinha" ou "só um minutinho". Não esperem ter uma DST pra aprender isso, não vale a pena. Não dá pra ceder a pressão de homem (e o cara que não te respeitar nisso é melhor você apagar da sua lista de contatos) e nem pra ceder à nossa própria vontade, porque na hora que tá gostoso dá vontade mesmo de começar sem camisinha, eu já cedi a essa tentação algumas vezes até entender que realmente não rola. 
Transar sem camisinha nem em relacionamento estável e monogâmico é totalmente seguro (rola direto do cara trair a namorada e não usar camisinha), mas se for fazer isso, seja responsável o suficiente pra fazer exame de DST e conferir se ele fez também (eu particularmente não acredito só na palavra, quero ver o exame), além de bater aquele papo reto de "se for transar com outra pessoa, pelamor de deus, usa camisinha do início ao fim", mesmo em um namoro fechado. A boa notícia é que hoje em dia há camisinhas maravilhosas como a Skin, que não são feitas de látex e são ultra finas, quase imperceptíveis! 

Para além do sério risco de DST, tenho pensado bastante também sobre a questão da intimidade. Cada pessoa sabe de si e das suas escolhas, mas proponho uma reflexão também sobre a troca energética que é transar com alguém. O sexo é o ápice da intimidade, é uma troca energética profunda e deveríamos pensar um pouco mais a respeito das pessoas com as quais escolhemos ter essa troca. A transa no primeiro encontro pode ser ótima, mas grande parte das vezes é ruim ou meia boca porque a gente ainda não tem justamente a intimidade necessária com a pessoa pra dizer o que tá bom e o que tá ruim, se a gente quer continuar ou parar, ou pra dar aquele xingo se o cara desrespeitar em algum momento. 
Eu tenho preferido conhecer as pessoas um pouco melhor, sentir antes se há afinidade sexual (a famosa química) e principalmente sentir se a pessoa vai me respeitar integralmente, antes de ter uma relação sexual. Poupa muita transa ruim, muita situação abusiva e ainda preserva do risco do contato com alguma DST (que até no sexo oral pode ser transmitida). Se você fala não pra qualquer coisa e o cara não respeita e tenta te pressionar, já é um ótimo sinal pra você pular fora. 

Cada uma sabe de si e faz suas escolhas, mas deixo esse apelo: não transe sem camisinha, não transe com alguém que não te respeita e, principalmente, não transe sem estar efetivamente com vontade! Depois de tanto tempo afirmando nossa liberdade de transar, não podemos esquecer da nossa liberdade de não transar. Por sexos mais seguros, prazerosos e verdadeiramente livres!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A feminização do desequilíbrio - ou por que homens não fazem terapia?

Começo dizendo que sei que, apesar de não ser um número expressivo, há homens que fazem alguma espécie de terapia, mas meu ponto com esse texto é que a proporção de mulheres que buscam essa ajuda para lidar com suas questões psicológicas e emocionais é absurdamente maior. Vejo com frequência homens em sofrimento muito resistentes a entrar em algum tipo de tratamento terapêutico, como se eles fossem bons demais pra isso, como se não precisassem de ajuda em nada, como se isso fosse coisa de gente doida, ou pior, como se fosse "coisa de mulher". 
Fico pensando que essa idéia culturalmente enraizada da mulher histérica, emocionalmente desequilibrada, em contraste com a do homem forte e independente contribui muito pra essa resistência masculina, mesmo nos meios mais "descolados" e pretensamente desconstruídos. E aí fico pensando o impacto que essa ausência de investimento em auto-conhecimento e auto-transformação por parte dos homens tem na nossa sociedade: como é que …

Precisamos falar sobre sexo

Pode-se pensar a princípio que já falamos demais sobre isso. Realmente, na internet, na televisão, nas mesas de bar, muito se fala sobre um certo ideal de sexo. Mas sobre o que da fato acontece na vida real fala-se muito pouco. Muitas vezes o próprio casal (seja fixo ou eventual) não consegue conversar sobre o que foi bom, o que não foi, o que e como melhorar. 
E foi esse vídeo aqui que me motivou a escrever sobre isso, porque têm coisas muito sérias acontecendo por aí sendo chamadas de sexo. E isso é uma questão que diz respeito a todo mundo, mulheres, homens e trans seja de que orientação sexual forem. 
Eu particularmente estou mais familiarizada com a dificuldade que as mulheres heterossexuais têm de se colocar, de parar quando tá ruim, de dizer o que gostam e o que não gostam, de sentir prazer e de se empoderarem pra sair da posição de objeto ou de benfeitoras (que priorizam o prazer do parceiro em detrimento do seu próprio). Falo então desse lugar, sem que isso signifique que co…