Pular para o conteúdo principal

Mulheres na frente e atrás das câmeras: Como vai você, Olívia?



“Finalmente um filme que fala de maternidade sob uma perspectiva feminista” foi o primeiro pensamento que me veio à cabeça quando terminei de ver o incrível “Olmo e a Gaivota”. E não por acaso a ficção documental, que mostra o ponto de vista de uma atriz de teatro durante sua gravidez real, foi dirigida por duas mulheres, a brasileira Petra Costa e a dinamarquesa Lea Glob. A forma através da qual as diretoras misturam ficção e realidade faz com que o filme seja muito mais do que a discussão sobre um tema importante: ele é propriamente uma obra de arte.

Como é bom – e raro – assistir a filmes de mulheres!

Racionalidade à parte, os sentimentos que me vieram foram vários: fiquei profundamente tocada com esse filme, que conversou diretamente com minhas muitas questões em torno da maternidade (uma realidade ainda ausente da minha vida, mas que se mostra cada vez mais próxima e possível).

Não sei se quero ser mãe. Sei que agora não quero – apesar de que sei também que não interromperia uma gravidez, caso ela ocorresse – e me angustia muito pensar no que vai acontecer na minha vida quando (ou se) eu ficar grávida. Assim como Olívia, personagem real do filme, gosto de liberdade e independência, tenho muitos projetos e não quero abrir mão de nenhum deles, gosto de sair, de beber, de dançar e tenho pavor a me sentir presa em um lugar. Como conjugar todos esses anseios pessoais, duramente conquistados em uma sociedade que não quer que nós mulheres sejamos livres, com  uma gravidez?

Essa é uma das questões colocadas pelo filme, que discute o sacrifício que as mulheres fazem (e ai delas se não fizerem!) pelas suas crias. Como é que o bem estar de um feto pode ser alvo de tanta preocupação e o bem estar da pessoa que o carrega de nenhuma? Não importa se Olívia quer sair, Olívia tem que ficar em casa. Não importa se Olívia quer trabalhar, Olívia tem que ficar em casa. Olívia não é mais uma pessoa, Olívia é apenas meia pessoa que, como bem diz ela própria, trabalha sozinha por um filho que não é só dela, é também de Serge. Serge, por sua vez, apesar de estar presente, continua trabalhando, continua saindo, continua bebendo.

E é assim que a condição de gerar uma vida, que é linda, acaba por ser também um fardo nessa sociedade que não é feita para mulheres livres, e menos ainda para mães e gestantes, esses seres fadados ao sacrifício. Não podem sequer amamentar em público! E esse sacrifício que começa na gravidez não deve terminar nunca, ou serão essas mulheres jogadas na fogueira das péssimas mães (leia aqui o texto de Eliane Brum sobre o assunto).

Mas Olívia não, Olívia é diferente, Olívia quer dar uma festa.

Olívia não responde à corriqueira pergunta “como vai o bebê?”. Não. Responde a uma outra, cuja resposta parece não interessar a ninguém: “Olívia, como vai vocẽ?”


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A feminização do desequilíbrio - ou por que homens não fazem terapia?

Começo dizendo que sei que, apesar de não ser um número expressivo, há homens que fazem alguma espécie de terapia, mas meu ponto com esse texto é que a proporção de mulheres que buscam essa ajuda para lidar com suas questões psicológicas e emocionais é absurdamente maior. Vejo com frequência homens em sofrimento muito resistentes a entrar em algum tipo de tratamento terapêutico, como se eles fossem bons demais pra isso, como se não precisassem de ajuda em nada, como se isso fosse coisa de gente doida, ou pior, como se fosse "coisa de mulher". 
Fico pensando que essa idéia culturalmente enraizada da mulher histérica, emocionalmente desequilibrada, em contraste com a do homem forte e independente contribui muito pra essa resistência masculina, mesmo nos meios mais "descolados" e pretensamente desconstruídos. E aí fico pensando o impacto que essa ausência de investimento em auto-conhecimento e auto-transformação por parte dos homens tem na nossa sociedade: como é que …

Intimidade e DST: pelo direito de não transar

*Esse é um texto direcionado principalmente às mulheres bi ou heterossexuais
Acho que está na hora de conversarmos seriamente sobre DST e intimidade. 
Tenho pensado como a luta (importantíssima) pela liberdade sexual feminina e suas conquistas trouxe consequências com as quais temos que lidar, porque tudo nessa vida tem prós e contras. Um desses contras é quanto estamos expostas a doenças sexualmente transmissíveis (das mais leves às mais sérias). O outro desses contras é o quanto muitas vezes nos sentimos obrigadas, às vezes inconscientemente, a fazer um uso intenso e indiscriminado dessa liberdade e acabamos transando com gente nada a ver (e, de novo, nos expondo a riscos).
Poder transar no primeiro encontro sem ninguém julgando ou enchendo o saco é uma conquista feminista importante, afinal de contas, nosso corpo, nossa vida, nossas regras. Mas essa liberdade não é só feminista, muitas vezes ela vira nossa inimiga. Exemplifico: uma vez, há muitos anos atrás, fiquei com um cara e n…

Precisamos falar sobre sexo

Pode-se pensar a princípio que já falamos demais sobre isso. Realmente, na internet, na televisão, nas mesas de bar, muito se fala sobre um certo ideal de sexo. Mas sobre o que da fato acontece na vida real fala-se muito pouco. Muitas vezes o próprio casal (seja fixo ou eventual) não consegue conversar sobre o que foi bom, o que não foi, o que e como melhorar. 
E foi esse vídeo aqui que me motivou a escrever sobre isso, porque têm coisas muito sérias acontecendo por aí sendo chamadas de sexo. E isso é uma questão que diz respeito a todo mundo, mulheres, homens e trans seja de que orientação sexual forem. 
Eu particularmente estou mais familiarizada com a dificuldade que as mulheres heterossexuais têm de se colocar, de parar quando tá ruim, de dizer o que gostam e o que não gostam, de sentir prazer e de se empoderarem pra sair da posição de objeto ou de benfeitoras (que priorizam o prazer do parceiro em detrimento do seu próprio). Falo então desse lugar, sem que isso signifique que co…